Workshop Sítios Natura 2000 marinhos e Pescas |Contactos | Mapa do SitePesquisa | Português Português English EnglishFacebook Twitter


 






«  2017 »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031 


Imprensa


Tartaruga-verde (Chelonia mydas) libertada ao largo de Portimão

Tartaruga-verde (Chelonia mydas) libertada ao largo de Portimão

No passado dia 25 de Novembro, após cerca de 2 meses em reabilitação no CRAM-Q, foi libertada uma tartaruga-verde (Chelonia mydas) a 14 milhas náuticas ao largo de Portimão. Na libertação tinha 8.470 Kg e 38.1 cm de comprimento reto de carapaça.

Libertação de tartaruga-verde (Chelonia mydas) ao largo de Portimão

Libertação de tartaruga-verde (Chelonia mydas) ao largo de Portimão

Este animal foi encontrado por  um pescador, no dia 20 de Setembro, em redes de tresmalho no estuário do Sado. Prontamente, contactou a Polícia Marítima de Setúbal que tomou conta da ocorrência, entrando em contacto com o ICNF que, por sua vez, acionou a equipa de resgate do CRAM-Q que a recolheu e transportou para as suas instalações.

De modo a avaliar o estado de saúde do animal, foi realizado o exame físico e vários exames de diagnóstico complementares (com recurso a equipamentos adquiridos pelo projeto LIFE+ MarPro). À entrada apresentava lacerações em diversas partes do corpo, desidratação e dificuldades respiratórias. No raio-X, para além de ser detetada uma bronquite severa, também foram observados corpos estranhos no intestino. Após a análise das fezes, verificou-se que estes corpos estranhos eram de origem antropogénica, como: fragmentos de sacos de plástico; argola das garrafas de plástico; fios de nylon, entre outros.

Demorou 1 mês para que este material percorresse todo o sistema digestivo do animal, através da administração de enemas frequentes.

Alguns dos plásticos encontrados nas fezes da tartaruga-verde (Chelonia mydas)

Alguns dos plásticos encontrados nas fezes da tartaruga-verde (Chelonia mydas)

É de salientar que o lixo no mar é um grande problema para os animais que aí habitam, não só tartarugas marinhas, mas aves, cetáceos e muitos outros, podendo comprometer a sua sobrevivência. É um dever de todos nós manter os oceanos “saudáveis”, por isso, um pequeno gesto como colocar o lixo nos devidos contentores pode fazer toda a diferença.

Antes da sua libertação, foi colocado um PIT Tag (microchip) e colocado um emissor de satélite com painéis fotovoltaicos, que enviará frequentemente informações que permitirão avaliar o sucesso da reabilitação e ainda fornecer dados valiosos sobre a rota de migração desta espécie pouco comum nas águas portuguesas.

Emissor de satélite, na carapaça da tartaruga-verde (Chelonia mydas), que enviará informações sobre a sua localização

Emissor de satélite, na carapaça da tartaruga-verde (Chelonia mydas), que enviará informações sobre a sua localização

Agradecimentos:

 

Nome do Paciente: Mahalo
Espécie: Chelonia mydas (Linnaeus,1758)
Causa de Entrada: Captura acidental (Bycatch)
Categoria na Red List da IUCN: EN (Ameaçada)
Data de Entrada: 20 de Setembro de 2015
Data da Libertação: 25 de Novembro de 2015




Última Modificação: 26/11/2015

← Eventos | Comunicados →





  • Manuais de Boas de Práticas

    Clique na imagem para ir para o endereço.

  • maps

    Clique na imagem para ir para o endereço.

  • MarPro_WebGIS.png

    Clique na imagem para ir para o endereço.

  • LIFE @ 20- Competition and events website

    Clique na imagem para ir para o endereço.

  • Docs LIFE+ MarPro

    Clique na imagem para ir para o endereço.